Transições para a sustentabilidade

Mudar de idioma
Página Modificado pela última vez 2019-01-21
No seu relatório-quadro quinquenal, SOER 2015, a AEA concluiu que, apesar das melhorias verificadas nas últimas décadas, as perspetivas ambientais da Europa são preocupantes. O caráter globalizado e sistémico dos desafios ambientais que se avizinham implica que a realização dos objetivos de sustentabilidade a longo prazo da UE exigirá uma mudança fundamental nos sistemas sociais fundamentais, em especial os relacionados com a alimentação, a energia, a mobilidade e os espaços construídos.

A realização de tais transições exigirá muito mais do que melhorias graduais da eficiência. Pelo contrário, exigirá mudanças profundas e de longo prazo em práticas, políticas e modos de pensar dominantes, que, por sua vez, exigirão novos conhecimentos. Tal significará abandonar a visão de curto prazo que atualmente domina o pensamento político e económico, para abraçar perspetivas globais, integradas e de longo prazo.

Introdução

Os apelos a transformações fundamentais nos sistemas societais da Europa refletem um reconhecimento da dimensão da mudança necessária para alcançar a sustentabilidade a longo prazo e da natureza sistémica do desafio. As megatendências globais, como a disseminação dos padrões de consumo ocidentais e a procura de recursos associada, estão a impor encargos crescentes aos ecossistemas. A reconciliação do crescimento projetado na economia global com limites ambientais finitos só pode ser conseguida através de mudanças fundamentais nos sistemas centrais de produção e de consumo. No entanto, existem grandes obstáculos para a realização dessas mudanças, uma vez que os sistemas que representam uma grande parte das nossas pressões ambientais também estão associados, de formas complexas, a benefícios e interesses, como empregos, investimentos, estilos de vida e valores. As intervenções são, portanto, suscetíveis de produzir equilíbrios complexos e incertos, o que motiva a resistência daqueles que suportam os custos.

A investigação neste domínio está a evoluir rapidamente, centrando-se nas forças globais que exigem transições, nas características e no funcionamento dos sistemas centrais, e nos processos e medidas de governação que podem catalisar e orientar a mudança sistémica. As publicações relevantes feitas neste domínio sublinham a importância não apenas de tecnologias inovadoras, mas também de novas práticas e comportamentos, alicerçados em mudanças nas crenças e nos valores. A complexidade e a incerteza da mudança sistémica também apontam para a necessidade de combinar políticas cuidadosamente concebidas, bem como estilos de governação abertos e adaptáveis. Admitindo que grande parte do conhecimento necessário para enfrentar os complexos desafios do século XXI está dispersa por toda a sociedade, os governos, muitas vezes, precisarão de se envolver com as empresas e a sociedade civil, enquanto parceiros ativos.

Políticas da UE sobre o tema

O Sétimo Programa de Ação em matéria de Ambiente da UE inclui a perspetiva de que

«em 2050, viveremos bem, dentro dos limites ecológicos do planeta».

Tal como foi elaborado nessa e noutras políticas da UE, a realização dessa visão exigirá mudanças profundas nos sistemas de produção e consumo. Por exemplo, o Roteiro de transição para uma economia hipocarbónica estabelece um objetivo de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa da UE em 80 % até 2050, enquanto a Estratégia para uma economia circular visa grandes melhorias na redução e na gestão de resíduos até 2030. A nível mundial, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas fixam um amplo conjunto de metas que abordam as dimensões socioeconómicas e ambientais da sustentabilidade.

Atividades da AEA

A AEA está a abordar a questão das transições para a sustentabilidade em vários níveis, com recurso a uma combinação de abordagens analíticas. Este trabalho inclui:

  • Análise das megatendências globais e das fronteiras planetárias, incluindo as suas implicações a nível europeu, nacional e regional.
  • Análise dos principais sistemas sociotécnicos e socioecológicos europeus, tais como a alimentação, a energia, a mobilidade e os sistemas urbanos, e das suas implicações para o ambiente e os recursos naturais.
  • Avaliação do significado, na teoria e na prática, das transições para a sustentabilidade, com base em pesquisas académicas e em elementos de estudos de caso de toda a Europa.
  • Desenvolvimento de conhecimentos sobre avaliações prospetivas e avaliações de sustentabilidade, incluindo através da análise de tendências, fatores de mudança, riscos sistémicos e questões emergentes relevantes para o ambiente e a sustentabilidade.
  • Reforço das capacidades e da partilha de informações prospetivas no âmbito da Rede Europeia de Informação e de Observação do Ambiente (Eionet), e ligação em rede com os intervenientes europeus e internacionais e as redes de investigação.

Ligações conexas

Rede de Pesquisa de Fronteiras Planetárias

Rede de Investigação em matéria de Transições para a Sustentabilidade

Terra do Futuro

Sistema Europeu de Análise de Estratégias e Políticas

Temporal coverage

Ações do documento
Subscrições
Inscrever-se para receber os nossos relatórios (em versão em papel e/ou eletrónica) e o boletim informativo eletrónico trimestral.
Siga-nos
 
 
 
 
 
 
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100