É necessária mais ambição por parte dos Estados-Membros da UE para alcançar o objetivo comum de energias renováveis

Mudar de idioma
Notícias Publicado 2019-02-13 Modificado pela última vez 2019-03-08
3 min read
A quota das fontes de energia renováveis no consumo energético da União Europeia (UE) duplicou desde 2005, mas este crescimento tem vindo a abrandar nos últimos anos, em especial devido ao aumento do consumo de energia e à falta de progressos no setor dos transportes. O novo relatório da Agência Europeia do Ambiente (AEA) revela que os Estados-Membros da UE necessitam de intensificar os seus esforços para atingir o objetivo de 2020 em matéria de energias renováveis.

 Image © Tim Laws, WaterPIX /EEA

O relatório da AEA intitulado «Renewable energy in Europe  — 2018» [Energias renováveis na Europa — 2018] descreve os progressos na implantação de fontes de energia renováveis na UE, com base em dados oficiais relativos a 2016 e estimativas preliminares da AEA para 2017.

O relatório mostra que a quota de energias renováveis no consumo final de energia na UE aumentou de 16,7 % em 2015 para 17,0 % em 2016 e para um valor estimado de 17,4 % em 2017. Embora a UE continue no bom caminho para alcançar o seu objetivo de uma quota de 20 % de utilização de energias renováveis no consumo final bruto de energia no horizonte de 2020, os recentes aumentos no consumo final de energia em alguns Estados-Membros estão a abrandar o ritmo de crescimento da quota de energias renováveis na UE.

A fim de alcançar o objetivo fixado para 2030, os Estados-Membros da UE devem aumentar coletivamente a quota de fontes de energia renováveis para, pelo menos, 32 % do consumo final bruto de energia. O relatório da AEA revela que, presentemente, a utilização de energias renováveis por cada um dos Estados-Membros apresenta grandes variações, desde mais de 30 % do consumo final bruto de energia na Áustria, Dinamarca, Finlândia, Letónia e Suécia até menos de 9 % na Bélgica, Luxemburgo, Malta e Países Baixos,

Outras conclusões principais

Em 2017, 85 % do conjunto das novas capacidades de produção de eletricidade instaladas na UE eram de origem renovável, com a energia eólica e solar fotovoltaica a representarem três quartos das novas capacidades de produção de eletricidade a partir de fontes de energia renováveis. Um terço do consumo total de eletricidade na UE em 2016 e 2017 foi proveniente de fontes renováveis.

O setor do aquecimento/refrigeração continua a ser o setor do mercado dominante para as energias renováveis na UE, com cerca de 19 % de quota de energias renováveis em 2016 e 2017. O setor dos transportes regista um enorme atraso com apenas 7 % de quota de utilização de energias renováveis nos mesmos anos. A maior parte de energia renovável utilizada para os transportes é proveniente dos biocombustíveis. Apenas os biocombustíveis certificados como cumprindo os critérios de sustentabilidade nos termos da Diretiva Energias Renováveis podem ser contabilizados para estes objetivos.

Segundo o relatório, a UE continua a ser o líder mundial em capacidade de produção de eletricidade produzida a partir de fontes renováveisper capita, mas a China está agora a investir mais em nova capacidade. A quota de postos de trabalho relacionados com energias renováveis na população ativa está também a progredir mais rapidamente no Brasil e na China do que na UE.

A utilização crescente de energias renováveis permitiu à UE reduzir a sua procura de combustíveis fósseis e reduzir as emissões de gases com efeito de estufa conexas. De acordo com a análise da AEA, as emissões totais de gases com efeito de estufa da UE teriam sido cerca de 9 % superiores em 2016 e 10 % superiores em 2017, se a utilização crescente de energias renováveis desde 2005 não tivesse substituído 11 % do consumo interno bruto de combustíveis fósseis durante este período.

Os relatórios «Energias renováveis na Europa» complementam a avaliação anual da AEA dos progressos feitos relativamente aos objetivos em matéria de clima e energia da UE na publicação Tendências e projeções na Europa 2018.

Conteúdo relacionado

Notícias e artigos

Dados relacionados

Indicadores relacionados

Overview of electricity production and use in Europe In 2016,  low-carbon energy sources (i.e. renewables and nuclear energy) continued to dominate the electricity mix for the second year in a row, together generating more power than fossil fuel sources. Fossil fuels (i.e. coal, natural gas and oil) were responsible for 43 % of all gross electricity generation in 2016, a decrease of 11 percentage points across the EU compared with 2005 (54 %). By way of contrast, the share of electricity generated from renewable sources has grown rapidly since 2005, but the pace of growth has slowed down after 2014. In 2016, renewable electricity reached almost one third (29 %) of all gross electricity generation in the EU. This is twice as much as in 2005. As such, renewable sources generated more electricity in 2016 than nuclear sources or coal and lignite. Nuclear energy sources contributed roughly one quarter (26 %) of all gross electricity generation in 2016. The transition from fossil fuels to renewable fuels, together with improved transformation efficiencies in electricity generation, led to an average annual 2.6 % decrease in CO 2 emissions per kWh between 2005 and 2016. Final electricity consumption (the total consumption of electricity by all end-use sectors plus electricity imports and minus exports) in the EU increased by one percent in 2016 compared with 2015, reaching the same level as in 2005. The sharpest growth was observed in the services sector (1.2 % per year) and the sharpest decline in industry (-1.0 % per year). With regards to the non-EU EEA countries,  between 2005 and 2016, electricity generation increased by an average of 4.9 % per  year in Turkey, 7.1 % per year  in Iceland and 0.7 % per year in Norway.
Share of renewable energy in gross final energy consumption The share of renewable energy in gross final energy use in the EU has almost doubled since 2005. It reached 17.0 % in 2016 and is expected to have reached 17.4 % in 2017, according to the early estimates from the European Environment Agency (EEA) . These levels are higher than those from the indicative EU trajectory for these years set by the Renewable Energy Directive .  The increase in the share of renewable energy sources in final energy consumption has slowed down in recent years. An increasing energy consumption and lack of progress in the transport sector imperil the achievement of both 2020 targets on renewable energy and energy efficiency at EU level. In 2017, according to the EEA's early estimates:  progress towards national targets deteriorated across the EU, with 20 Member States (all but Cyprus, France, Ireland, Luxembourg, the Netherlands, Poland, Slovenia and the United Kingdom) meeting or exceeding their indicative targets set under the Renewable Energy Directive, compared with 25 Member States on target in 2016. In addition, only 16 Member States (all except Belgium, Cyprus, France, Germany, Ireland, Luxembourg, Malta, the Netherlands, Poland, Portugal, Slovenia and Spain) reached or exceeded the trajectories set in their own National Renewable Energy Action Plans, compared with 19 in 2016; 11 countries (Bulgaria, Croatia, Czechia, Denmark, Estonia, Finland, Hungary, Italy, Lithuania, Romania and Sweden) had already managed to achieve their binding renewable energy share targets for 2020, as set under the Renewable Energy Directive; renewable energy accounted for 30.6 % of gross final electricity consumption, 19.3 % of energy consumption for heating and cooling, and 7.2 % of transport fuel consumption in the whole EU.

Outras publicações

Temporal coverage

Ações do documento