Alterações climáticas e saúde pública

Mudar de idioma
Article Publicado 2015-09-24 Modificado pela última vez 2016-09-15 10:50
Na Europa, as alterações climáticas já estão a afetar a saúde pública e continuarão a afetá-la no futuro. Como é que elas afetam hoje os europeus? Que perspetivas temos para o futuro? Fizemos estas perguntas a Bettina Menne da OMS Europa.

 Image © Joseph Galea, Environment & Me/EEA

As alterações climáticas afetam a saúde pública?

As alterações climáticas afetam a saúde pública de muitas e diversas formas. Produzem impactes diretos e indiretos, bem como impactes imediatos e outros que se fazem sentir num período mais dilatado. Segundo as nossas estimativas, no ano 2000 causaram 150 000 vítimas mortais em todo o mundo e um novo estudo da OMS prevê que, até 2040, essas mortes aumentem para 250 000 por ano, a nível mundial. Na verdade, esta estimativa seria mais elevada se não tivéssemos tido em conta a diminuição da mortalidade infantil esperada nos próximos anos.

Os fenómenos meteorológicos extremos já figuram entre os principais impactes das alterações climáticas na saúde pública. Além disso, prevê-se um aumento da mortalidade causada pelas ondas de calor e pelas inundações, especialmente na Europa, e a diferente distribuição das doenças transmitidas por vetores também afetará a saúde pública.

Como afetam os fenómenos meteorológicos extremos a saúde pública?

As diferentes regiões são afetadas por diferentes tipos de fenómenos meteorológicos extremos. As ondas de calor são um problema que atinge sobretudo o sul da Europa e o Mediterrâneo, mas também afligem outras regiões. De acordo com as estimativas, a onda de calor de 2003 causou 70 000 mortes adicionais em 12 países europeus, vitimando sobretudo os idosos. O envelhecimento prejudica a regulação térmica do corpo, tornando as pessoas idosas mais vulneráveis a temperaturas elevadas.

Prevê-se que, em 2050, as ondas de calor causem 120 000 mortes adicionais por ano na União Europeia e tenham um custo económico de 150 mil milhões de euros, se novas medidas não forem tomadas. Esta estimativa mais elevada não se deve apenas às temperaturas mais altas, nem à sua maior frequência, mas também à evolução demográfica da Europa. Atualmente, cerca de 20 % dos cidadãos da UE têm mais de 65 anos de idade, uma percentagem que deverá aumentar para cerca de 30 % em 2050.

As temperaturas elevadas também estão muitas vezes associadas à poluição atmosférica, em especial à poluição por ozono ao nível do solo. A poluição atmosférica pode causar problemas respiratórios e cardiovasculares, sobretudo em crianças e idosos, e levar a mortes prematuras.

Outros fenómenos meteorológicos extremos — como as chuvas torrenciais suscetíveis de provocar inundações — também afetam a saúde pública.

Como é que as inundações afetam a nossa saúde?

Para referir um exemplo concreto, as devastadoras inundações de 2014, na Bósnia-Herzegovina, Croácia e Sérvia, causaram 60 mortos e atingiram mais de 2,5 milhões de pessoas. Para além dos impactes imediatos sobre a saúde, afetaram as operações de salvamento e os serviços de saúde pública. Muitos hospitais, em especial os pisos inferiores, onde os equipamentos médicos pesados são geralmente conservados, ficaram inundados, reduzindo, assim, a capacidade dos serviços de saúde para responder à catástrofe e cuidar dos doentes existentes.

Em consequência de tais catástrofes, as pessoas deslocadas e que perderam as suas casas também tendem a sofrer de outros problemas de saúde a longo prazo, incluindo stresse.

Existem também riscos indiretos para a saúde, em grande medida causados pela deterioração ou a contaminação do ambiente. Por exemplo, as águas das cheias podem transportar substâncias químicas e poluentes provenientes de instalações industriais, das águas residuais e dos esgotos, e contaminar as fontes de água potável e os terrenos agrícolas. Quando não existe um sistema seguro de eliminação dos resíduos fecais e químicos, as águas das cheias ou de um maior escoamento podem transportar contaminantes para os lagos e o mar, acabando alguns deles por entrar na nossa cadeia alimentar.

Que outros tipos de riscos para a saúde estão associados às alterações climáticas?

Os riscos para a saúde têm várias origens. As temperaturas mais elevadas facilitam a ocorrência de incêndios florestais. No continente europeu, há cerca de 70 000 incêndios florestais por ano. Embora a grande maioria deles tenha origem humana, as altas temperaturas e as secas muitas vezes agravam os prejuízos totais. Alguns incêndios podem causar perda de vidas e bens, mas todos poluem a atmosfera, sobretudo com partículas, e esta poluição, por sua vez, causa doenças e mortes prematuras.

As temperaturas mais altas, os invernos mais suaves e os verões mais húmidos estão a expandir a área onde certos insetos transmissores de doenças (como as carraças e os mosquitos) conseguem sobreviver e propagar-se. Estes insetos depois transportam doenças — como a doença de Lyme, a febre de dengue e a malária — para novas zonas, onde antes o clima não lhes era propício.

As alterações climáticas também podem impedir que algumas doenças subsistam nas zonas que atualmente afetam. Por exemplo, o aquecimento futuro poderá fazer com que as carraças — e, logo, as doenças por estas transmitidas — sejam encontradas a altitudes mais elevadas e setentrionais, em estreita ligação com as mudanças na distribuição dos seus hospedeiros naturais, como os veados.

As variações sazonais, com algumas estações a começarem mais cedo e a durarem mais, também podem ser nocivas para a saúde humana, sobretudo para as pessoas que sofrem de alergias. É possível que também haja picos nos casos de asma, devido à exposição combinada e em simultâneo a diferentes alergénios.

Há ainda outros riscos a longo prazo para a saúde associados às alterações climáticas. É previsível que as variações da temperatura e da precipitação afetem a capacidade de produção alimentar na região paneuropeia em geral, com reduções significativas na Ásia Central. Uma redução adicional da capacidade de produção na região não só agravaria o problema da subnutrição como também teria grandes repercussões em todo o mundo ao aumentar o preço dos produtos alimentares. Por isso, as alterações climáticas são um fator a ter em conta quando analisamos a segurança alimentar e o acesso a alimentos a preços razoáveis. Elas podem agravar os problemas sociais e económicos existentes.

Como se podem preparar as autoridades públicas para os impactes das alterações climáticas na saúde?

Em comparação com muitas outras regiões, os serviços de saúde europeus estão relativamente melhor equipados para lidar com os impactes das alterações climáticas na saúde. Não é provável, por exemplo, que a malária volte a ocorrer na União Europeia. Ainda assim, fenómenos isolados como inundações ou ondas de calor prolongadas continuarão a pressionar crescentemente os serviços de saúde das zonas afetadas. Será necessário que os países europeus reforcem e adaptem os seus serviços de saúde para fazerem face aos efeitos potenciais das alterações climáticas na sua região. Umas medidas poderão envolver a transferência e o reequipamento de hospitais, a fim de prepará-los para eventuais inundações. Outras medidas incidirão sobre a melhoria dos instrumentos de partilha de informação com grupos vulneráveis, para evitar que se exponham à poluição.

Há mais de 20 anos que a OMS Europa está a estudar os efeitos para a saúde das alterações climáticas. Desenvolvemos métodos e instrumentos, efetuamos avaliações de impacto e ajudamos os Estados‑Membros a adaptaremse. No nosso relatório mais recente, recomendamos medidas de adaptação, mas salientamos que elas não serão, só por si, suficientes.

É muito claro que, para protegerem a saúde pública, os países também têm de tomar medidas de mitigação das alterações climáticas, sendo que algumas dessas medidas podem trazer benefícios significativos para a saúde. Por exemplo, a promoção do chamado «transporte ativo» (como andar de bicicleta e a pé) pode ajudar a reduzir a obesidade e as doenças não contagiosas. Além disso, fontes de energia renováveis como a energia solar podem assegurar um fornecimento ininterrupto de energia a serviços de saúde de zonas remotas.

 

Bettina Menne
Gestora de Programas da OMS Europa

As alterações climáticas afetam de várias formas a nossa saúde, os ecossistemas e a economia. É provável que estes impactes se agravem nas próximas décadas e, se nada for feito, podem sair-nos muito caros, em termos de saúde, degradação dos ecossistemas e destruição de bens e infraestruturas.

Geographic coverage

Austria, Belgium, Bulgaria, Croatia, Cyprus, Czech Republic, Denmark, Estonia, Finland, France, Germany, Greece, Hungary, Iceland, Ireland, Italy, Latvia, Liechtenstein, Lithuania, Luxembourg, Malta, Netherlands, Norway, Poland, Portugal, Romania, Slovakia, Slovenia, Spain, Sweden, Switzerland, Turkey, United Kingdom
Ações do documento
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100