Ferramentas Pessoais

Notificações
Receba notificações sobre novos relatórios e produtos. Frequência: 3-4 e-mails / mês.
Subscrições
Inscrever-se para receber os nossos relatórios (em versão em papel e/ou eletrónica) e o boletim informativo eletrónico trimestral.
Siga-nos
Twitter ícone Twitter
Facebook ícone Facebook
YouTube ícone Canal no YouTube
Logotipo RSS 'RSS Feeds'
Mais

Write to us Write to us

For the public:


For media and journalists:

Contact EEA staff
Contact the web team
FAQ

Call us Call us

Reception:

Phone: (+45) 33 36 71 00
Fax: (+45) 33 36 71 99


seguinte
anterior
itens

Saltar para conteúdo principal | Ir para navegação

Sound and independent information
on the environment

Você está aqui: Entrada / Sinais – Ambiente e bem-estar / Sinais 2013 / Artigos / A qualidade do ar em recintos fechados

A qualidade do ar em recintos fechados

Mudar de idioma
Muitos de nós poderemos passar até 90% de nossos dias em recintos fechados - em casa, no trabalho ou na escola. A qualidade do ar que respiramos em recintos fechados também tem um impacte direto na nossa saúde. O que determina a qualidade do ar em recintos fechados? Existe alguma diferença entre os poluentes atmosféricos em recintos fechados e ao ar livre? Como podemos melhorar a qualidade do ar em recintos fechados?

 Image © Jose AS Reyes | Shutterstock

Pode ser uma surpresa para muitos de nós o facto de o ar numa rua urbana com trânsito de média intensidade poder realmente ser mais puro do que o ar na sua sala de estar. Estudos recentes indicam que alguns poluentes atmosféricos nocivos podem existir em concentrações mais elevadas em recintos fechados do que ao ar livre. No passado, a poluição atmosférica em recintos fechados recebeu uma atenção significativamente menor do que a poluição atmosférica ao ar livre, sobretudo a poluição atmosférica provocada pelas emissões das indústrias e dos transportes. Contudo, nos últimos anos, as ameaças provenientes da exposição à poluição atmosférica em recintos fechados tornaram-se mais evidentes.

Imagine uma casa acabada de pintar, decorada com mobiliário novo... Ou um local de trabalho com um forte cheiro a produtos de limpeza... A qualidade do ar nas nossas casas, locais de trabalho ou outros espaços públicos varia consideravelmente, dependendo do material utilizado para os construir e limpar e da finalidade do espaço, bem como da forma como o utilizamos e ventilamos.

A má qualidade do ar em recintos fechados pode ser especialmente prejudicial para os grupos vulneráveis, como as crianças, os idosos e as pessoas com doenças cardiovasculares e respiratórias crónicas, como a asma.

Alguns dos principais poluentes atmosféricos em recintos fechados incluem o radão (um gás radioativo que se forma no solo), o fumo do tabaco, gases ou partículas gerados pela queima de combustíveis, produtos químicos e alergénicos. O monóxido de carbono, os dióxidos de azoto, as partículas e os compostos orgânicos voláteis podem encontrar-se tanto ao ar livre como em recintos fechados.

As medidas de política podem ajudar

Alguns poluentes atmosféricos de recintos fechados e os seus impactes na saúde são mais bem conhecidos e recebem mais atenção do público do que outros. A proibição de fumar em espaços públicos é um deles.

Em muitos países, a proibição de fumar em diversos locais públicos foi muito controversa até à introdução de legislação pertinente. Por exemplo, até à entrada em vigor em Espanha da proibição de fumar, em janeiro de 2006, houve um movimento crescente para afirmar o que muitos consideravam ser seu direito: fumar em locais públicos fechados. Mas a proibição também conduziu a uma consciência pública mais forte. Nos dias que se seguiram à sua entrada em vigor, 25 000 espanhóis por dia procuraram aconselhamento médico sobre a forma de deixar de fumar.

Muita coisa mudou na perceção do público relativamente à questão de fumar em locais e transportes públicos. Muitas companhias aéreas começaram a proibir o fumo em voos de curta distância na década de oitenta, seguindo-se os de longa distância na de noventa. Hoje em dia, é impensável na Europa permitir que os não fumadores sejam expostos ao fumo em segunda mão nos transportes públicos.

Atualmente, muitos países, incluindo todos os países membros da AEA, possuem alguma legislação destinada a limitar ou proibir o fumo em locais públicos fechados. Após uma série de resoluções e recomendações não vinculativas, a União Europeia também adotou, em 2009, uma resolução que exorta os Estados-Membros a adotar e aplicar leis destinadas a proteger integralmente os seus cidadãos contra a exposição ao fumo do tabaco em ambientes fechados.

Parece que a proibição de fumar melhorou a qualidade do ar em recintos fechados. Os poluentes ambientais do fumo do tabaco estão a decrescer em lugares públicos. Na República da Irlanda, por exemplo, medições dos poluentes atmosféricos em locais públicos em Dublim, antes e depois da entrada em vigor da proibição de fumar, revelaram decréscimos de até 88% de alguns poluentes atmosféricos encontrados no fumo do tabaco em ambientes fechados.

Tal como no caso dos poluentes ao ar livre, os impactes dos poluentes atmosféricos em recintos fechados não se limitam apenas à nossa saúde. Implicam igualmente elevados custos económicos. Só a exposição ao fumo do tabaco na atmosfera dos locais de trabalho da União Europeia está estimada em mais de 1 300 milhões de euros em custos médicos diretos, e mais de 1 100 milhões de euros em custos indiretos associados às perdas de produtividade em 2008.

Poluição do ar em recintos fechados

A poluição em recintos fechados não se limita ao fumo do tabaco

O fumo do tabaco não é a única fonte de poluição do ar interior. Segundo Erik Lebret, do Instituto Nacional de Saúde Pública e do Ambiente (RIVM) dos Países Baixos, «A poluição atmosférica não se detém à nossa porta. A maioria dos poluentes do exterior penetra nas nossas casas, onde passamos a maior parte do nosso tempo. A qualidade do ar em recintos fechados é afetada por muitos outros fatores, incluindo cozinhar, acender a lareira a lenha, acender velas ou incenso, utilizar produtos de consumo como as ceras e os polidores para limpar superfícies, materiais de construção como o formaldeído em contraplacados, e retardadores de chama em muitos materiais. E depois há o radão proveniente dos solos e dos materiais de construção.»

Os países europeus estão a tentar combater algumas dessas fontes de poluição atmosférica em recintos fechados. Segundo Lebret, «estamos a tentar substituir substâncias mais tóxicas por outras menos tóxicas, ou a procurar processos que reduzam as emissões, como no caso das emissões de formaldeído do contraplacado. Outro exemplo é o da redução de certos materiais emissores de radão utilizados na construção de paredes. Estes materiais eram utilizados no passado mas a sua utilização foi entretanto restringida.»

A aprovação de leis não é a única via para melhorar a qualidade do ar que respiramos; todos nós podemos tomar medidas para controlar e reduzir as partículas suspensas no ar e os produtos químicos em espaços fechados.

Pequenas ações como, por exemplo, a ventilação dos espaços fechados, podem ajudar a melhorar a qualidade do ar que nos rodeia. Mas algumas das nossas ações, por muito bem-intencionadas que sejam, podem acabar por ter efeitos adversos. Lebret sugere: «Devemos ventilar, mas não devemos ventilar exageradamente, pois isso implicaria uma perda substancial de energia, já que obrigaria a aumentar o aquecimento e o uso de combustíveis fósseis e, consequentemente, implicaria um aumento da poluição atmosférica. Devemos ter em mente uma utilização mais racional dos nossos recursos em geral.»

Para mais informações

Geographical coverage

[+] Show Map

Ações do documento
classificado em: ,

Comentários

Registre-se já
Receba notificações sobre novos relatórios e produtos. Atualmente, temos 33053 assinantes. Freqüência: 3-4 e-mails por mês.
Notificações arquivo
Siga-nos
 
 
 
 
 
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100