Ferramentas Pessoais

Notificações
Receba notificações sobre novos relatórios e produtos. Frequência: 3-4 e-mails / mês.
Subscrições
Inscrever-se para receber os nossos relatórios (em versão em papel e/ou eletrónica) e o boletim informativo eletrónico trimestral.
Siga-nos
Twitter ícone Twitter
Facebook ícone Facebook
YouTube ícone Canal no YouTube
Logotipo RSS 'RSS Feeds'
Mais

Write to us Write to us

For the public:


For media and journalists:

Contact EEA staff
Contact the web team
FAQ

Call us Call us

Reception:

Phone: (+45) 33 36 71 00
Fax: (+45) 33 36 71 99


seguinte
anterior
itens

Saltar para conteúdo principal | Ir para navegação

Sound and independent information
on the environment

Você está aqui: Entrada / Sinais – Ambiente e bem-estar / Sinais 2012 / Em análise / Faz sentido do ponto de vista empresarial?

Faz sentido do ponto de vista empresarial?

Mudar de idioma
Das pequenas empresas às multinacionais, muitas são as que procuram formas de manter ou aumentar as suas quotas de mercado. Em épocas de concorrência mundial renhida, a busca da sustentabilidade implica muito mais do que «ecologizar» a imagem empresarial e reduzir os preços de produção. Pode significar novos ramos de atividade.
Production line

Production line  Image © Stockbyte

Uma invasão de grandes símios talvez não figurasse na lista dos principais riscos comerciais com que a Unilever estava confrontada, mas foi o que aconteceu. Em 21 de abril de 2008, a sede da Unilever em Londres e as suas instalações de Merseyside, Roma e Roterdão foram invadidas por ativistas da Greenpeace vestidos de orangotangos. Os ativistas protestavam contra os danos causados à floresta tropical indonésia pela produção de óleo de palma, utilizado em muitos produtos da Unilever. Pouco tempo após a incursão, a empresa anunciou que, até 2015, o mais tardar, passará a obter todo o óleo de palma que utilize a partir de fontes «sustentáveis». Desde então, elaborou um plano de atividades para integrar a sustentabilidade no centro das suas práticas.

Há muitas e diferentes razões para que uma empresa multinacional adote práticas mais sustentáveis. Elas podem estar ligadas à sua imagem empresarial ou à imagem das suas marcas. A sustentabilidade também pode ser exigida pelos investidores da empresa, eventualmente avessos a investir o seu dinheiro em empresas que não tenham em conta os riscos das alterações climáticas ou que não estejam interessadas em aproveitar os benefícios da ecoinovação.

Segundo afirma Karen Hamilton, vice-presidente para a Sustentabilidade na Unilever: «Não vemos qualquer conflito entre o crescimento e a sustentabilidade. Na verdade, são cada vez mais os consumidores que a exigem».

Ou pode acontecer, simplesmente, que a adoção de práticas sustentáveis faça sentido do ponto de vista empresarial. As empresas podem obter vantagens competitivas e aumentar a sua quota de mercado. Também pode significar novas oportunidades de negócio para os ecoempresários inovadores que respondam à procura crescente de produtos «ecológicos».

Karen acrescenta: «A sustentabilidade também implica economias de custos. Se pudermos reduzir as embalagens, podemos diminuir o consumo de energia na fábrica, economizando dinheiro e aumentando a rentabilidade».

Onde procurar ideias

Quando as grandes empresas multinacionais começarem a adotar práticas mais ecológicas, a sua dimensão permite-lhes fazer a diferença no terreno, pois tendem a exigir aos seus pares que adotem práticas semelhantes. Fundado em vésperas da Cimeira do Rio de 1992 para dar voz ao setor empresarial, o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD)  é uma plataforma que visa promover a sustentabilidade no setor empresarial.

O relatório «Visão 2050» do WBCSD, elaborado pelos diretores executivos e peritos mais importantes, descreve os elementos imprescindíveis que o setor empresarial deve instituir nas próximas décadas para alcançar a sustentabilidade a nível global. Por outras palavras, trata-se de uma exigência de sustentabilidade vinda de dentro.

Os principais elementos imprescindíveis  identificados pelo WBCSD refletem muitos dos objetivos dos decisores políticos: integrar nos preços de mercado os custos dos danos ambientais; encontrar formas eficientes de produzir mais alimentos sem utilizar mais terras e água; pôr termo à desflorestação; reduzir as emissões de carbono em todo o mundo mudando para fontes de energia respeitadoras do ambiente; e utilizar a energia de forma eficiente em todos os setores, incluindo o dos transportes.

A organização Carbon Disclosure Project (CDP) é outra iniciativa que promove a sustentabilidade no setor empresarial. Trata-se de uma organização sem fins lucrativos, que pretende reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e a utilização de água pelas empresas e as cidades. A CDP também ajuda os investidores a avaliarem os riscos empresariais ligados ao ambiente, como as alterações climáticas, a escassez de água, as inundações e a poluição, ou a simples falta de matérias-primas. Sobretudo no contexto da atual crise financeira, os investidores têm uma importante palavra a dizer sobre as empresas que irão sobreviver.

Copyright: Thinkstock

Não há uma solução única

Subsiste, assim, a pergunta: como pode uma empresa transpor o desenvolvimento sustentável para a sua gestão? Não há uma solução única para isso, mas há muito aconselhamento e apoios disponíveis.

Plataformas empresariais sustentáveis como o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável e a Carbon Disclosure Project oferecem orientações para as empresas que queiram colocar-se na linha da frente. Também existem recomendações mais específicas, como as orientações da OCDE para as empresas multinacionais, anexadas à declaração da OCDE sobre o investimento internacional e as empresas multinacionais. Nelas se definem princípios e normas de conduta empresarial responsável que as empresas multinacionais a operar em países aderentes da declaração podem adotar voluntariamente.

Os sistemas existentes são, na sua maioria, voluntários, mas estão normalmente inseridos no contexto mais geral da responsabilidade social das empresas.

A transição para práticas sustentáveis não é somente liderada pelas administrações das diversas empresas. Os governos e autoridades públicas, em geral, podem ajudar as empresas através da criação de condições de concorrência leais e de incentivos. Os fatos de orangotango talvez sejam dispensáveis, mas os consumidores e a sociedade civil também podem enviar um sinal enérgico ao setor privado, mostrando simplesmente que estão interessados nos produtos respeitadores do ambiente.

Karen confirma esta ideia: «É seguramente necessário que os governos e a sociedade civil unam esforços. As empresas, principalmente, podem ser determinantes nas cadeias de abastecimento transfronteiras, claro está, na escala em que chegam aos consumidores».

Para mais informações

      • World Business Council for Sustainable Development (Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável): www.wbcsd.org Carbon Disclosure Project: www.cdp.net

Geographical coverage

[+] Show Map

Ações do documento

Comentários

Registre-se já
Receba notificações sobre novos relatórios e produtos. Atualmente, temos 33201 assinantes. Freqüência: 3-4 e-mails por mês.
Notificações arquivo
Siga-nos
 
 
 
 
 
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100