Ferramentas Pessoais

Notificações
Receba notificações sobre novos relatórios e produtos. Frequência: 3-4 e-mails / mês.
Subscrições
Inscrever-se para receber os nossos relatórios (em versão em papel e/ou eletrónica) e o boletim informativo eletrónico trimestral.
Siga-nos
Twitter ícone Twitter
Facebook ícone Facebook
YouTube ícone Canal no YouTube
Logotipo RSS 'RSS Feeds'
Mais

Write to us Write to us

For the public:


For media and journalists:

Contact EEA staff
Contact the web team
FAQ

Call us Call us

Reception:

Phone: (+45) 33 36 71 00
Fax: (+45) 33 36 71 99


seguinte
anterior
itens

Saltar para conteúdo principal | Ir para navegação

Sound and independent information
on the environment

Você está aqui: Entrada / Sala de imprensa / Comunicados de imprensa / Europa sob pressão - alterações climáticas no topo dos desafios ambientais

Europa sob pressão - alterações climáticas no topo dos desafios ambientais

Mudar de idioma
Os decisores políticos, as empresas e os cidadãos devem agir desde já face a uma série de questões ambientais ou pagarão mais tarde uma pesada factura

PRESS RELEASE - Brussels, 29 November 2005

Europa sob pressão - alterações climáticas no topo dos desafios ambientais



Os decisores políticos, as empresas e os cidadãos devem agir desde já face a uma série de questões ambientais ou pagarão mais tarde uma pesada factura

Os quatro anos mais quentes de que há registo foram 1998, 2002, 2003 e 2004. Dez por cento dos glaciares alpinos desapareceram durante o Verão de 2003. A este ritmo, três quartos dos glaciares suíços terão derretido em 2050. Segundo um novo relatório da Agência Europeia do Ambiente (AEA), sediada em Copenhaga, a Europa não assistia a alterações climáticas desta magnitude há 5 000 anos.

O relatório 'The European environment - State and outlook 2005' ('O ambiente na Europa - Situação e perspectivas 2005') abrangendo 31 países, fornece uma avaliação do ambiente na Europa para os últimos 5 anos e salienta alguns desafios ambientais, entre os quais se contam as alterações climáticas. A biodiversidade, os ecossistemas marinhos, os recursos hídricos, os solos, a poluição atmosférica e a saúde constituem igualmente áreas de preocupação. Pela primeira vez, o relatório contém uma análise por país, apresentando indicadores de desempenho e comparações para todos os participantes: os 25 Estados-Membros da UE, a Bulgária, a Islândia, o Liechtenstein, a Noruega, a Roménia, a Turquia e a Suíça.

Segundo este relatório, a temperatura média na Europa subiu 0.95 °C no século XX, um valor 35 % superior ao aumento médio global de 0.7 °C, e as temperaturas continuarão a aumentar. A UE reconheceu este problema e estabeleceu um limite para o aumento global da temperatura de 2 °C acima dos níveis pré-industriais.

'Se não adoptarmos medidas eficazes ao longo de várias décadas, o aquecimento global provocará o desaparecimento dos glaciares a norte e a expansão dos desertos a sul. A população poderá, de facto, vir a concentrar-se no centro do continente. Mesmo que consigamos manter o aquecimento global dentro do limite de 2 °C adoptado pela UE, viveremos em condições atmosféricas com que os seres humanos nunca se defrontaram. É necessário reduzir ainda mais as emissões', afirma Jacqueline McGlade, directora executiva da AEA.

O relatório afirma que a legislação europeia no domínio do ambiente tem produzido resultados positivos. Conseguimos despoluir as nossas águas e a nossa atmosfera, eliminámos gradualmente algumas substâncias que destroem a camada de ozono e duplicámos as taxas de reciclagem de resíduos. Temos também veículos menos poluentes. Sem as profundas melhorias proporcionadas pelos conversores catalíticos ao longo dos últimos vinte anos, os níveis de algumas emissões seriam dez vezes superiores aos que se registam actualmente. No entanto, segundo o relatório, estas medidas demoraram entre dez a vinte anos a produzir resultados visíveis.

Estas histórias de sucesso estão agora a ser ultrapassadas pelas alterações nos padrões de consumo pessoal. Os europeus vivem cada vez mais tempo e o número de pessoas que opta por viver sozinha tem vindo a aumentar, exercendo assim uma maior pressão sobre o território urbano. Entre 1990 e 2000, mais de 800 000 hectares do território europeu foram edificados. Trata-se de uma área correspondente ao triplo da superfície do Luxemburgo. Se esta tendência se mantiver, a área urbana europeia duplicará em pouco mais de um século. O relatório afirma que a gestão da expansão urbana desempenha um papel determinante na protecção dos nossos recursos naturais.

Hoje viajamos para locais cada vez mais longínquos e com maior frequência, consumindo os recursos naturais do planeta a um ritmo duas vezes superior à média mundial. Os transportes possuem a maior taxa de crescimento de emissões de gases com efeito de estufa e não se prevê uma alteração desta situação num futuro próximo. Por exemplo, prevê-se que o transporte aéreo duplique até 2030. Desta forma, a Europa imprime a sua pegada ecológica no resto do planeta, danificando o ambiente e esgotando os recursos naturais.

As sondagens Eurobarómetro indicam que mais de 70 por cento dos europeus desejam que os decisores políticos atribuam igual importância às políticas ambientais, económicas e sociais. O relatório salienta que, para tomarem estas opiniões em consideração, os decisores políticos terão de trabalhar em conjunto a nível europeu, nacional e local. Terão de integrar aspectos ambientais em vários sectores, tais como os transportes, a agricultura e a energia, e definir um quadro de acção para os cidadãos e para as empresas.

'Os decisores políticos têm de estabelecer objectivos ambiciosos. Precisamos de reduzir gradualmente os impostos sobre o trabalho e o investimento e apostar em impostos sobre a poluição e a utilização ineficaz dos materiais e do solo. Precisamos igualmente de reformas ao nível da atribuição de subsídios aos transportes, à habitação, à energia e à agricultura. Precisamos, sim, de subsídios que incentivem práticas sustentáveis e tecnologias eficientes', afirma a Professora McGlade.

'Se incorporarem os incentivos necessários, estas reformas conduzirão a um aumento do investimento, da inovação e da competitividade. Já tivemos a oportunidade de assistir aos resultados práticos destas reformas em alguns países e sectores. Nas últimas décadas, o aumento dos impostos sobre a gasolina na Europa e a imposição de normas mais rigorosas ao parque automóvel resultaram na concepção de veículos quase duas vezes mais eficientes no consumo de combustível do que os que circulam nas estradas norte-americanas. A ruptura dos stocks pesqueiros, a utilização de amianto em edifícios, a chuva ácida e o chumbo na gasolina são alguns exemplos bem conhecidos do custo da inércia, em termos ambientais e pessoais. É preferível agir já para garantir a segurança a longo prazo', conclui a Professora McGlade.

Notas para o editor:

Sobre a Agência Europeia do Ambiente (AEA): A agência, com sede em Copenhaga, visa contribuir para alcançar melhorias significativas e mensuráveis no ambiente da Europa através do fornecimento de informação atempada, específica, pertinente e fiável aos decisores políticos e ao público em geral. Como parte do seu mandato, a AEA realiza uma avaliação global do estado do ambiente europeu de cinco em cinco anos. O relatório 'O ambiente na Europa - Situação e perspectivas 2005' inclui:

  • Uma avaliação integrada do ambiente na Europa com capítulos sobre:
    • Ambiente e qualidade de vida
    • Usos do solo
    • Alterações climáticas
    • Qualidade do ar e saúde
    • Recursos em água
    • Recursos marinhos e costeiros
    • Solos
    • Biodiversidade e ecossistemas
    • Ambiente e sectores económicos
    • Perspectivas para o futuro
  • Um conjunto de indicadores-chave, consistindo em 37 indicadores adequados para a avaliação atempada e pertinente das alterações que ocorrem no ambiente e do grau de aplicação e eficácia das políticas ambientais,. As emissões de gases com efeito de estufa constituem um exemplo de um indicador-chave que visa avaliar os progressos alcançados na concretização dos objectivos de Quioto.
  • Uma análise por país com base em nove indicadores-chave. Esta análise proporciona uma avaliação comparativa dos desempenhos nacionais, elaborada com base em informação fornecida pelos próprios países.

    As análises por país, consubstanciadas num conjunto de fichas, foram elaboradas no âmbito de uma parceria entre os países e a AEA. A selecção dos indicadores é da responsabilidade da AEA e não reflecte necessariamente as prioridades dos países participantes. Para permitir uma compreensão mais profunda das questões a nível nacional, foram incluídos dados fornecidos por fontes nacionais que, por esse motivo, poderão não ser totalmente comparáveis com os dados compilados pelo Eurostat, a AEA ou outros organismos internacionais. A AEA assume a responsabilidade pelo resultado final.
  • Consulte a Parte C do relatório para conhecer o desempenho do seu país.
  • Países abrangidos pelo relatório: A UE 25 (Áustria, Bélgica, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Portugal, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Suécia, Reino Unido) e Bulgária, Islândia, Liechtenstein, Noruega, Roménia e Turquia.


Links


O relatório pode ser consultado em:
http://reports.eea.europa.eu/state_of_environment_report_2005_1/

Sumário executivo:
http://reports.eea.europa.eu/state_of_environment_report_2005_1/en/soer_files/PT-summary.pdf

Perfil nacional:
http://reports.eea.europa.eu/state_of_environment_report_2005_1/en/soer_files/PT-countryprofile.pdf

O scorecard:
http://reports.eea.europa.eu/state_of_environment_report_2005_1/en/soer_files/PT-scorecard.pdf


Contactos

Pedidos de informação pela imprensa devem ser dirigidos a:

Brendan Killeen
Responsável de Imprensa
Departamento de Comunicação e Assuntos Institucionais
Telefone: +45 33 36 72 69
Telemóvel: +45 23 68 36 71

Teresa Ruch Olsen
Responsável de Imprensa
Departamento de Comunicação e Assuntos Institucionais
Telefone: +45 33 36 71 59
Telemóvel: +45 23 68 36 69

Marion Hannerup
Responsável pelo Departamento de Comunicação e Assuntos Institucionais
Telefone: +45 33 36 71 60
Telemóvel: +45 51 33 22 43

For public enquiries:

EEA Information Centre

Enquiry form (English)


Geographical coverage

[+] Show Map

Ações do documento

Comentários

Registre-se já
Receba notificações sobre novos relatórios e produtos. Atualmente, temos 32996 assinantes. Freqüência: 3-4 e-mails por mês.
Notificações arquivo
Siga-nos
 
 
 
 
 
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100