Infraestrutura verde: viver melhor graças a soluções baseadas na natureza

Mudar de idioma
Article Publicado 2015-12-14 Modificado pela última vez 2016-09-15 10:50
As infraestruturas verdes oferecem soluções atrativas para os problemas ambientais, sociais e económicos, devendo, por isso, ser cabalmente integradas em diversos domínios políticos. Num momento em que a AEA se prepara para publicar um relatório sobre o papel das infraestruturas verdes na atenuação do impacto das catástrofes naturais relacionadas com os fenómenos meteorológicos e as alterações climáticas, falámos com o relator principal, Gorm Dige, gestor de projetos de análise territorial ambiental, política e económica.

 Image © Birgit Georgi/EEA

O que é a infraestrutura verde e qual a sua importância?

A Comunicação sobre a Infraestrutura Verde da Comissão Europeia descreve-a como um instrumento que permite obter benefícios ecológicos, económicos e sociais através de soluções baseadas na natureza, para ajudar a compreender as vantagens que esta oferece à sociedade humana e para mobilizar investimentos que sustentem e valorizem estes benefícios. Por outras palavras, é uma rede de zonas naturais e seminaturais, que incorpora espaços verdes e presta serviços ecossistémicos, em que se baseiam o bem-estar e a qualidade de vida humanos.

As infraestruturas verdes podem assegurar múltiplas funções e benefícios num mesmo espaço. As funções podem ser ambientais (p.ex., conservação da biodiversidade ou adaptação às alterações climáticas), sociais (p.ex., drenagem de água e espaços verdes), e económicas (p.ex., criação de emprego e valorização dos imóveis). O contraste com as soluções baseadas nas infraestruturas cinzentas, que geralmente desempenham uma única função, como a drenagem ou o transporte, torna as infraestruturas verdes apelativas pelo seu potencial para resolver vários problemas em simultâneo. As infraestruturas cinzentas tradicionais continuam a ser necessárias, mas podem ser reforçadas por soluções naturais.

Por exemplo, as infraestruturas verdes podem ser utilizadas para reduzir a quantidade de águas pluviais que entram nas redes de esgotos e, em última instância, nos lagos, rios e ribeiros, graças às capacidades naturais de retenção e absorção que têm a vegetação e os solos. Os benefícios das infraestruturas verdes podem incluir, nesse caso, um maior sequestro de carbono, a melhoria da qualidade do ar, a atenuação do efeito de ilha térmica urbana e a criação de mais espaço para acolher habitats de flora e fauna selvagens e atividades de lazer. Os espaços verdes também enriquecem a paisagem cultural e histórica, conferindo identidade aos lugares e cenários das zonas urbanas e periurbanas onde as pessoas vivem e trabalham. Os estudos mostram que as soluções de infraestrutura verde são menos caras do que as de infraestrutura cinzenta e proporcionam múltiplos benefícios às economias locais, ao tecido social e ao ambiente em geral.

Quais são os principais problemas com que o desenvolvimento de infraestruturas verdes se depara?

O conceito de infraestrutura verde é relativamente novo e complexo, não existindo ainda uma definição consensual do mesmo, nem suficientes análises e indicadores quantitativos. Em consequência, os decisores políticos têm grande dificuldade em integrá-lo nas diversas políticas, embora haja elementos da infraestrutura verde que contrariam essa tendência. Por exemplo, os ecodutos e os sistemas de gestão natural da água, como os telhados verdes, têm funções claras e o seu desempenho já pode ser avaliado.

Também pode parecer complicado justificar a opção pelas infraestruturas verdes do ponto de vista financeiro, mas, para além dos múltiplos benefícios atrás referidos, elas são frequentemente menos caras, mais sólidas e mais sustentáveis. Por conseguinte, em vez de optarem à partida por soluções de infraestrutura cinzenta como os diques e as condutas para águas das cheias, os responsáveis pelo planeamento devem examinar primeiramente as vantagens de recuperar as planícies aluviais e zonas húmidas.

Por último, a infraestrutura verde está integrada na Estratégia para a Biodiversidade da União Europeia, mas não se resume a um instrumento de conservação da biodiversidade. Com efeito, pode contribuir significativamente para a realização dos objetivos políticos da UE em matéria de desenvolvimento regional e rural, alterações climáticas, gestão dos riscos de catástrofe, agricultura e silvicultura, e ambiente.

Qual é a política europeia em matéria de infraestrutura verde e o que está a ser feito para resolver os problemas acima referidos?

A Estratégia para as Infraestruturas Verdes da UE defende a plena integração da infraestrutura verde nas suas políticas, de modo a tornar-se uma componente habitual do ordenamento do seu território. A estratégia reconhece igualmente que as infraestruturas verdes podem contribuir para várias políticas da União Europeia que têm objetivos suscetíveis de serem alcançados através de soluções baseadas na natureza, e insere a sua utilização no contexto da Estratégia de Crescimento Europa 2020.

Além disso, a Estratégia para a Biodiversidade visa assegurar que «até 2020, os ecossistemas e seus serviços serão mantidos e valorizados mediante a criação de infraestruturas verdes e da recuperação de, pelo menos, 15 % dos ecossistemas degradados». Convida também os Estados Membros a cartografarem e avaliarem o estado dos ecossistemas e seus serviços a nível nacional, um trabalho que contribuirá para a avaliação do valor económico dos serviços ecossistémicos e promoverá a integração desses valores em sistemas de contabilidade e comunicação de informações a nível nacional e da UE até 2020.

A infraestrutura verde também é reconhecida noutros documentos políticos da União, designadamente no Sétimo Programa de Ação em Matéria de Ambiente (7.ºPAA), na Política Regional 2014–2020, na Diretiva-Quadro Água, na Diretiva Nitratos, na Diretiva Inundações e na Estratégia da UE para a Adaptação às Alterações Climáticas.

Todas estas iniciativas conduzirão, segundo se espera, a uma melhor utilização da infraestrutura verde como instrumento político e à aplicação de soluções práticas a nível local.

Como contribui a AEA para este trabalho?

A AEA tem investigado as infraestruturas verdes para apoiar os decisores políticos e o público em geral. Em 2011 publicámos o relatório Infraestruturas verdes e coesão territorial (EN), que sublinhou a importância de desenvolver instrumentos para detetar e medir esse tipo de infraestruturas, e ajudou a definir prioridades e metas a nível nacional e regional, além de contribuir para a Comunicação sobre a Infraestrutura Verde da UE.

O estudo da AEA, Análise espacial das infraestruturas verdes na Europa (EN), avalia a infraestrutura verde como conceito ecológico e espacial para promover a saúde e a resiliência dos ecossistemas, contribuir para a conservação da biodiversidade e beneficiar os seres humanos através da promoção da prestação de serviços ecossistémicos como a atenuação das alterações climáticas, a disponibilização de habitats essenciais para o biota e a conectividade dos habitats.

Será, em breve, publicado um relatório de acompanhamento da AEA, «Exploração de soluções baseadas na natureza - o papel das infraestruturas verdes na atenuação dos impactos das catástrofes naturais relacionadas com as alterações meteorológicas e climáticas». Partindo de relatórios anteriores, este relatório mostra como as infraestruturas verdes contribuem para atenuar os efeitos adversos de fenómenos meteorológicos e climáticos extremos, que figuram entre as catástrofes naturais mais ruinosas e mortíferas na Europa e no mundo. O relatório está centrado em certos tipos de eventos muito suscetíveis de serem amplificados pelas alterações climáticas em curso, por exemplo, deslizamentos de terras, avalanches, inundações e tempestades. O relatório debruça-se ainda sobre as infraestruturas verdes e serviços ecossistémicos que contribuem para a regulação do clima à escala global.

Gorm Dige

Entrevista publicada no n.º 2015/3 do Boletim informativo da AEA, setembro de 2015

 

Geographic coverage

Austria, Belgium, Bulgaria, Croatia, Cyprus, Czech Republic, Denmark, Estonia, Finland, France, Germany, Greece, Hungary, Ireland, Italy, Latvia, Lithuania, Luxembourg, Malta, Netherlands, Poland, Portugal, Romania, Slovakia, Slovenia, Spain, Sweden, United Kingdom
Ações do documento
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100