Energias renováveis: a chave para um futuro da Europa com baixas emissões de carbono

Mudar de idioma
Article Publicado 2016-07-06 Modificado pela última vez 2016-09-15 10:50
O futuro parece promissor para as fontes de energias renováveis, as quais têm vindo a desempenhar um papel importante na redução da dependência da Europa em relação aos combustíveis fósseis. As oportunidades e desafios que se avizinham na área das energias limpas foram o nosso tema de conversa com Mihai Tomescu, especialista em energias da Agência Europeia do Ambiente.
Foto Pawel Kazmierczyk

Foto Pawel Kazmierczyk

Na sua opinião, conseguirá a União Europeia cumprir o seu objetivo de obter 20 % das suas necessidades energéticas finais a partir de fontes renováveis até 2020?

Com base nos progressos que realizámos até agora, é provável que a UE consiga atingir esse objetivo. O consumo de energias renováveis na UE continuou a aumentar ano após ano, atingindo 16 % do consumo de energia final em 2014. Esta quota é mais elevada do que a indicada na trajetória provisória prevista para a Europa na Diretiva sobre as Energias Renováveis, por isso estamos no bom caminho. A nível nacional, a questão é menos uniforme, mas a grande maioria dos Estados‑Membros tem vindo a fazer grandes progressos.

O consumo crescente de energia proveniente de fontes renováveis tem sido vantajoso em muitas áreas. Os progressos realizados na prossecução dos objetivos nacionais e da UE significam que as energias renováveis estão de facto a substituir os combustíveis fósseis e a criar uma base para uma mudança estrutural para uma energia limpa. Estes promissores desenvolvimentos podem contribuir para preparar as empresas da União Europeia para a penetração em novos setores energéticos globais onde se espera que venha a ocorrer um crescimento significativo. Ao nível dos cidadãos em geral, verifica‑se também um interesse e um apoio crescentes às fontes de energia limpa, um fator que poderá ajudar a acelerar o atual processo de transição energética. Apesar dos progressos já realizados, temos ainda muito trabalho pela frente para que a transição energética seja de facto uma realidade.

Poderá a UE confiar exclusivamente no abastecimento de energias renováveis, ou continuarão os combustíveis fósseis a marcar a sua presença?

Com o Acordo de Paris, o mundo comprometeu‑se a rumar a um futuro com baixas emissões de carbono. A União Europeia já estabeleceu metas ambiciosas do ponto de vista climático e, com vista a alcançar os nossos objetivos de longo prazo de descarbonização, as energias renováveis devem suprir, pelo menos, 55 % a 75 % das nossas necessidades energéticas até 2050. Estes valores são claramente um desafio, mas penso que são exequíveis.

As energias renováveis são fundamentais para a mitigação a longo prazo das alterações climáticas e terão um papel cada vez mais importante na melhoria da segurança energética global da União. Ainda assim, é provável que continuemos a necessitar de combustíveis fósseis por algum tempo, ainda que a nossa dependência em relação aos mesmos já tenha começado a diminuir. Além dos riscos geopolíticos, os combustíveis fósseis acarretam custos externos desproporcionais para a sociedade, custos que se traduzem em danos para a saúde e para o ambiente.

Apesar de uma redução sustentada dos preços do petróleo poder vir a afetar a competitividade das energias renováveis em termos de custos, as perspetivas a longo prazo para estas energias são muito favoráveis. Os custos com tecnologias assentes em energias renováveis têm vindo a tornar‑se cada vez mais competitivos. Em muitos locais, as energias renováveis já estão a competir aos preços de mercado com as tecnologias assentes em combustíveis fósseis. Além disso, se os preços da energia reproduzissem melhor os impactos ambientais associados à sua produção e utilização, tais como as emissões para o ar, para a água e as alterações climáticas, a competitividade das energias renováveis suplantaria claramente a das tecnologias convencionais.

Está a União Europeia a liderar o desenvolvimento de fontes de energia limpa?

De acordo com o recente relatório da AEA sobre a utilização de energias renováveis na Europa, a UE tem vindo a contribuir de forma significativa para o desenvolvimento de tecnologias de energias renováveis em todo o mundo. Durante o período de 2005–2012, a União Europeia registou a maior participação em novos investimentos globais em fontes de energia renováveis, quota essa apenas suplantada pela China a partir de 2013. Em 2014, a UE‑28 possuía a maior capacidade de energia solar fotovoltaica instalada e conectada do mundo (aproximadamente três vezes a da China), bem como a maior capacidade global de energia eólica. Contudo, o ritmo do investimento na União tem vindo a abrandar ultimamente, apesar de estar a aumentar noutras regiões do mundo.

No que respeita ao emprego no setor das energias renováveis, a UE é um dos principais intervenientes mundiais. Em 2014, registou o segundo mais elevado nível de criação de emprego nesta área, depois do Brasil. Os maiores empregadores no setor das energias renováveis da UE são as indústrias ligadas à energia eólica, solar fotovoltaica e à biomassa sólida. Com o crescimento contínuo da concorrência chinesa, tem-se registado uma perda de postos de trabalho nas indústrias eólica e solar fotovoltaica. Apesar de tudo, a quota de postos de trabalho relacionados com as energias renováveis na UE‑28 continua, até à data, superior à da China.

Que desafios nos esperam?

Em primeiro lugar, há que reconhecer que o panorama global das energias renováveis está a mudar rapidamente. Se a União Europeia quiser manter a liderança, terá de manter também o mesmo nível de compromisso. A estagnação que se tem vindo a verificar recentemente em termos de financiamentos para investigação e desenvolvimento no setor das energias renováveis leva‑nos a considerar a hipótese de não nos encontrarmos futuramente em condições de aproveitar os benefícios das tecnologias inovadoras. Neste contexto, a Agência Internacional de Energia recomenda triplicar o atual investimento em investigação e desenvolvimento na área da inovação associada às energias limpas.

É ainda necessário proceder à reforma do mercado energético interno da União Europeia, de modo a aumentar a sua eficiência e a dotá‑lo da capacidade de atender à crescente produção de energias renováveis intermitentes. As fontes de energias renováveis intermitentes, entre as quais se incluem a energia solar fotovoltaica e a energia eólica, alimentam a rede elétrica quando as condições climáticas lhes permitem. De acordo com as regras de mercado vigentes, não é possível fixar níveis de preços adequados para estas fontes de energia, uma questão que terá de ser abordada futuramente. Igualmente importante para assegurar a transição energética é a realização de melhorias ao nível da eficiência, da transmissão, da interconexão transfronteiriça e do armazenamento de energia, bem como o desempenho de um papel mais ativo do lado da procura.

De que forma assegura a AEA uma utilização mais eficaz das energias renováveis?

A AEA avalia regularmente os progressos alcançados em termos de concretização dos objetivos traçados pela UE, apoiando assim os decisores políticos da União. Os nossos relatórios descrevem o ponto da situação e, através da nossa Rede Europeia de Informação e Observação do Ambiente (Eionet), agimos como centro de informação dos países membros, identificando e debatendo anualmente os temas relacionados com as energias renováveis.

Mihai Tomescu

Geographic coverage

Austria, Belgium, Bulgaria, Croatia, Cyprus, Czech Republic, Denmark, Estonia, Finland, France, Germany, Greece, Hungary, Iceland, Ireland, Italy, Latvia, Liechtenstein, Lithuania, Luxembourg, Malta, Netherlands, Norway, Poland, Portugal, Romania, Slovakia, Slovenia, Spain, Sweden, Switzerland, Turkey, United Kingdom
Ações do documento
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100