Sistema de Informação Ambiental Partilhada (SEIS)

Mudar de idioma
Página Modificado pela última vez 2016-08-09 15:15
O «Sistema de Informação Ambiental Partilhada (SEIS)» foi criado para melhorar a recolha, o intercâmbio e a utilização de dados e informações ambientais em toda a Europa. OSEIS pretende criar um sistema de informação ambiental integrado à escala da UE assente na Internet, mediante a simplificação e modernização dos processos e sistemas de informação existentes.

O que é o SEIS?

História: Em fevereiro de 2008, a Comissão Europeia (CE) propôs na Comunicação «Para um Sistema de Informação Ambiental Partilhada (SEIS)» uma solução para o desafio europeu da informação ambiental. Desde então, o SEIS tornou-se uma iniciativa de cooperação entre a Comissão Europeia, a AEA e os 39 países da Eionet (Rede Europeia de Informação e de Observação do Ambiente). Na realidade, a implementação do SEIS tem sido o foco central da nossa atividade desde 2009 e constitui ainda uma das traves-mestras do Programa Plurianual de Trabalho para o período 2014-2018 e do nosso trabalho diário.

Objetivos: O SEIS visa dotar a Europa de um sistema de informação ambiental aperfeiçoado. É um elemento essencial à expansão da nossa base de conhecimento e integra um vasto manancial de informação proveniente da Eionet e de outras redes e parceiros, cidadãos e colaboração em massa, bem como de novas iniciativas de recolha de informação ambiental, tais como o programa Copernicus. A prossecução destes objetivos assenta numa rede de entidades públicas fornecedoras de informação que partilham os respetivos dados e informações ambientais. O SEIS ajuda a simplificar, racionalizar e modernizar os seus sistemas e processos e faculta-lhes capacidades de funcionamento via Web. Trata-se de um sistema descentralizado mas integrado, que melhora a qualidade, disponibilidade, acessibilidade e compreensão da informação ambiental.

O SEIS representa também uma mudança na abordagem, da comunicação de dados, de forma individual, por países ou regiões, a organizações internacionais específicas, para a criação de sistemas em linha com serviços que disponibilizam a informação a múltiplos utilizadores — tanto pessoas como máquinas. Esta mudança tem um caráter gradual que permite ao  SEIS permanecer um motor de acesso a informação ambiental  e a estarintegrado numa economia baseada no conhecimento

Sete princípios do SEIS: O SEIS assenta em sete «princípios». A informação deve:

  1. Ser gerida tão próximo quanto possível da sua fonte.
  2. Ser recolhida uma vez e partilhada com outros para muitos fins.
  3. Estar prontamente ao dispor das autoridades públicas e permitir-lhes cumprir facilmente as suas obrigações legais de comunicação de informações.
  4. Estar prontamente ao dispor de todos os utilizadores.
  5. Estar acessível para possibilitar comparações à escala geográfica adequada, bem como a participação dos cidadãos.
  6. Estar inteiramente ao dispor do grande público e a nível nacional na ou nas línguas nacionais relevantes.
  7. Ser apoiada por ferramentas informáticas comuns abertas e gratuitas.

 

Um objetivo transversalchave do SEIS é o de facultar o acesso a informação ambiental e expandir e maximizar a sua utilização. Geralmente  a informação é criada para servir um determinado propósito, no entanto, é frequente ter imenso potencial para outros fins., o que é facilitado com a aplicação dos princípios do SEIS. Por exemplo, a informação sobre cheias, além de necessária para mitigar o impacte potencial de eventuais cheias, é igualmente muito valiosa para as companhias de seguros e para os interessados na aquisição de habitação para efeitos de avaliação dos riscos de imóveis.

Oportunidades tecnológicas: É evidente que o SEIS precisa de tirar partido e promover o desenvolvimento das modernas tecnologias de informação e comunicação (TIC). As TIC estão a tornar a partilha de informação, seja entre indivíduos, grupos fechados ou comunidades inteiras de utilizadores da Internet, cada vez mais fácil São exemplos de TIC os sensores, satélites, serviços de mapas interativos, serviços Web e aplicações móveis.

As TIC são especialmente importantes na apresentação de dados em tempo real, que podem ser utilizados para uma tomada imediata de decisão — sejam as de governos nacionais em sede de gestão de emergências, como as de cidadãos que planeiam o seu dia com base na informação relativa às condições meteorológicas locais ou ao estado do trânsito..

Redução dos custos: Uma redução nos encargos administrativos das autoridades públicas e as inerentes reduções de custos derivadas de uma gestão mais eficiente, constituem benefícios acrescidos do SEIS. Por exemplo, os sistemas eletrónicos automáticos começam a substituir grande parte dos recursos humanos até aqui afetos ao intercâmbio de informações.

Três pilares: Um SEIS funcional deve ser estruturado em torno de três pilares: conteúdo, infraestrutura e cooperação. Em primeiro lugar, o sistema precisa de identificar os tipos de conteúdo (dados) necessários, bem como fontes potenciais. Em segundo lugar, é imprescindível uma infraestrutura técnica eficaz, assente na Web que tire pleno partido das TIC mais avançadas, incluindo os serviços Web (em que as máquinas «falam» entre si, sem necessidade de recurso à intervenção, onerosa ou menos eficiente, de seres humanos). Em terceiro lugar, a estrutura de cooperação e governação é necessária para a gestão dos recursos humanos, dosinputs e do trabalho em rede.

Várias aplicações: A importância e a necessidade da aplicação dos sete princípios e dos três pilares do SEIS são cada vez maiores para qualquer rede baseada na partilha de informação, incluindo a Eionet da AEA.

A AEA está a modernizar o seu próprio sistema de informação baseado nos princípios do SEIS. A AEA disponibiliza dados interligados  como parte de um serviço de dados semânticos, disponibiliza um serviço permanente de visualização de mapas interativos e colaborativos, e assegura genericamente Informação sobre o Estado do Ambiente atualizada em linha no seu sítio Web.

Outras iniciativas atuais relevantes associadas ao SEIS são:

Copernicus - implementação de serviços de monitorização assentes no potencial instalado em matéria de dados de observação da Terra

INSPIRE - melhoria do acesso e normalização dos dados ambientes em ordem a uma melhor integração

ENI – alargamento do SEIS aos países vizinhos da UE

GEO/GEOSS - construção de uma rede mundial de sistemas de observação da Terra

UN-GGIM – fornecimento de dados e informação relativos aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU

Para obter mais informação sobre o SEIS:

Conteúdo relacionado

Notícias e artigos

Outras publicações

Ver também

Geographic coverage

Europe
Ações do documento
Agência Europeia do Ambiente (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Dinamarca
Telefone: +45 3336 7100