Asmeniniai įrankiai

Pranešimai
Gaukite pranešimus apie naujų pranešimų, ir produktams. Dažnumas: 3-4 e. laiškai per mėnesį.
Prenumeratos
Registruotis jei norite gauti mūsų ataskaitas (spausdintines ir (arba) elektronines) ir kas ketvirtį leidžiamą e. naujienlaiškį.
Follow us
Twitter piktograma Twitter
Facebook piktograma Facebook
YouTube piktograma YouTube kanalas
RSS logotipas RSS kanalai
Daugiau

Write to us Write to us

For the public:


For media and journalists:

Contact EEA staff
Contact the web team
FAQ

Call us Call us

Reception:

Phone: (+45) 33 36 71 00
Fax: (+45) 33 36 71 99


kitas
ankstesnis
punktai

Pereiti prie turinio. | Pereiti prie navigacijos

Sound and independent information
on the environment

Jūs esate čia: Pradžia / Informacija spaudai / Informaciniai pranešimai / Expansão urbana - o desafio ambiental ignorado pela Europa

Expansão urbana - o desafio ambiental ignorado pela Europa

Pakeisti kalbą
Topics: ,
É necessária uma política europeia de orientação do planeamento urbano eficaz

A rápida e contínua expansão urbana ameaça o equilíbrio ambiental, social e económico da Europa, refere o novo relatório publicado hoje em Copenhaga pela Agência Europeia do Ambiente (AEA).
 
O relatório intitulado “Urban sprawl in Europe — the ignored challenge” (A expansão urbana na Europa — o desafio ignorado), mostra que muitos dos problemas ambientais da Europa são provocados pela rápida expansão das zonas urbanas. A economia mundial, as redes de transportes transfronteiras e as alterações societais, económicas e demográficas de grande escala, bem como as diferenças entre as legislações nacionais sobre planeamento, são alguns dos principais motores das alterações ao nível do ambiente urbano.  O relatório aponta para a necessidade de uma política europeia de coordenação e de um planeamento de controlo.

A expansão urbana ocorre quando a taxa de conversão da afectação dos solos excede a taxa de crescimento demográfico. Segundo o relatório, mais de um quarto do território da União Europeia encontra-se já urbanizado.  A longevidade dos cidadãos europeus aumentou e o número de pessoas a viver sozinhas também, o que coloca maiores exigências ao nível do espaço habitado. Viajamos para destinos mais longínquos e consumimos mais. Entre 1990 e 2000, mais de 800 000 hectares de território europeu foram urbanizados. Trata-se de uma área equivalente a três vezes a área do Luxemburgo. Se esta tendência continuar, dentro de pouco mais de cem anos, a área urbana europeia terá duplicado.

As cidades em expansão exigem um maior fornecimento de energia e uma maior infra-estrutura de transportes, além de consumirem maiores quantidades de solo. Tudo isto danifica o ambiente natural e aumenta as emissões dos gases com efeito de estufa. Como consequência, entre outras, surgem as alterações climáticas e o aumento da poluição sonora e atmosférica. Por conseguinte, a expansão urbana tem um impacte directo sobre a qualidade de vida das pessoas que vivem nas cidades e nos seus arredores.

“A expansão urbana é o reflexo de estilos de vida e de padrões de consumo em mutação, mais do que de uma população em expansão. A maior procura de alojamento, géneros alimentícios, transportes, bem como o turismo são factores que colocam exigências ao nível do solo.  Os terrenos agrícolas que circundam as cidades são frequentemente mais baratos, facilitando assim  a expansão face às pressões enumeradas acima”, referiu a Professora Jacqueline McGlade, Directora Executiva da AEA.

“Os fundos de coesão e estruturais, principais motores que afectam as sociedades europeias, são também as principais causas de expansão na Europa. O impacte do financiamento é sobretudo relevante quando a UE e os seus Estados-membros planeiam como utilizar o próximo orçamento comunitário. Os novos Estados-membros, por exemplo, assistirão a diferenças dramáticas. Deveriam ser-lhes fornecidas directrizes políticas no sentido de evitar os problemas ambientais  que a repentina injecção de fundos pode encorajar,” referiu a Professora McGlade.

O relatório apresenta estudos de caso relativos a sete cidades europeias, com abordagens positivas e negativas ao planeamento urbano nos últimos 50 anos. No entanto, o relatório salienta que a expansão não é um fenómeno localizado e que afecta a quase totalidade das cidades europeias. O relatório sugere acções e políticas futuras de intervenção ao nível do aumento da expansão.

Nota ao editor

Antecedentes do relatório
O relatório foi elaborado pela AEA e pelo Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia (CCI).

Para aceder ao relatório siga o link: Urban sprawl in Europe - the ignored challenge

EEA Briefing 4/2006 - Miestų plėtimasis Europoje

Acerca da Agência Europeia do Ambiente (AEA):

Sedeada em Copenhaga, a AEA tem por objectivo apoiar o desenvolvimento sustentável e contribuir para uma melhoria significativa e mensurável do meio ambiente na Europa, fornecendo aos responsáveis políticos e ao público em geral informação actualizada, específica, pertinente e fidedigna.

Contactos:

Brendan Killeen                   
Adido de imprensa               
Telefone: +45 33 36 72 69           
Telemóvel: +45 23 68 36 71            
Correio electrónico: brendan.killeen@eea.europa.eu

Marion Hannerup
Chefe de Comunicação e Assuntos Corporativos
Telefone: +45 33 36 71 60
Telemóvel: +45 51 33 22 43
Correio electrónico: marion.hannerup@eea.europa.eu

Geographical coverage

[+] Show Map

Komentarai

Prisijunk dabar!
Gaukite pranešimus apie naujų pranešimų, ir produktams. Šiuo metu mes turime 33061 abonentų. Dažnis: 3-4 laiškus per mėnesį.
Pranešimai archyvas
Follow us
 
 
 
 
 
Europos aplinkos agentūra (EEA)
Kongens Nytorv 6
1050 Copenhagen K
Danija
Telefonas: +45 3336 7100